quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Candida Albicans tratamento e sintomas

Na maioria das vezes, as infecções candida da boca, pele, ou na vagina ocorrem sem motivo aparente. Uma causa comum de infecção podem ser o uso de antibióticos que destroem benéfica, bem como prejudicial, microorganismos no corpo, permitindo candida a multiplicar-se em seu lugar. A condição resultante é conhecida como monilíase, candidíase ou um "fermento" da infecção.

Monilíase candidíase:

é chamado de sabiá, quando se cresce na boca, especialmente em crianças

aparece na pele como um vermelho, inflamado, e às vezes escamosa exantema, como assaduras

causas monilíase vaginalitis, vulgarmente conhecida como uma infecção por fungos, na vagina

causas onchomycosis Candida nas unhas ou paroníquia próxima às unhas

também pode afetar o esôfago e do trato digestivo

Infecção por Candida do pênis é mais comum entre os não circuncidados que os homens circuncidados e podem resultar de relações sexuais com um parceiro infectado.

Em casos raros, quando a resistência do corpo é baixa como na leucemia ou AIDS, candida albicans pode entrar na corrente sanguínea e causa infecção grave de órgãos vitais.

Sintomas de Candida Albicans
Sapinho aparece como manchas brancas ou creme-branco-azulada na língua - que está inflamada e às vezes beefy vermelho - e no revestimento da boca ou na garganta.

Assaduras causadas por candida é uma inflamação da pele, geralmente vermelho e às vezes escamosa.

Vaginite é caracterizada por um corrimento branco ou amarelo. Inflamação das paredes da vagina e da vulva (área genital externa) provoca ardor e prurido.

Infecções das unhas das mãos e unhas vermelhas aparecem como inchaço, dor ao redor da unha. Mais tarde, pus podem se desenvolver.

Infecção do pênis muitas vezes resulta em balanite (inflamação da cabeça do pênis).

Uma infecção na corrente sangüínea pode afetar os rins, coração, pulmões, olhos ou outros órgãos causando febre alta, calafrios, anemia, e às vezes uma erupção ou choque. Candida podem causar os seguintes problemas, dependendo do órgão infectado:

nos rins pode causar sangue na urina

no coração podem causar murmúrios e danos na válvula

nos pulmões pode causar escarro sanguinolento (descarga de muco)

nos olhos pode causar dor e visão turva

no cérebro pode causar convulsões e mudanças agudas na função mental ou comportamento

Diagnóstico de Candida Albicans
A história clínica, exame físico e exames laboratoriais, incluindo exames de sangue, hemoculturas e culturas ferida pode ser feito. Biópsia de tecido pode ser necessário para diagnosticar a doença sistêmica invasiva.

Tratamento de Candida Albicans
A maioria das infecções por Candida pode ser tratada em casa com mercado de balcão ou medicação por prescrição. Estes incluem a administração tópica de medicamentos antifúngicos como clotrimazol (Femizole-7, Gyne-Lotrimin), miconazol (Monistat-Derm, Monistat Vaginal), nistatina, Tioconazole (Vagistat Vaginal), ou a administração oral de fármacos como o fluconazol (Diflucan) e mulheres anfotericina B. Muitos preferem uma dose única oral de fluconazol para candidíase vaginal, ao invés de cremes tópicos. Infecções mais graves podem precisar de medicamentos IV dada no hospital.

Embora as drogas antifúngicas normalmente esclarecer o problema, a infecção pode ocorrer, às vezes como resultado da reinfecção pelo parceiro sexual. Por isso, o tratamento de ambos os parceiros é por vezes necessário.

Se possível, o uso de antibióticos deve ser interrompido durante uma infecção por candida. Para erupções de fraldas, use cremes de barreira e mudar as fraldas com freqüência. Pessoas com tendência a candidíase pele deve manter a sua pele seca.

Prevenção de Candida Albicans
Manter a pele limpa, seca e livre de arranhões ou cortes podem ajudar a prevenir infecções de pele candida.

terça-feira, 3 de maio de 2011

Dormir sem calcinha é bom à saúde

Por morarmos em um país de clima quente e bastante úmido, e estarmos cada vez mais propensas a estresses que levam à queda da imunidade, não é raro sentirmos desconfortos vaginais. Um dos mais comuns é a Candidíase Vulvovaginal: estima-se que cerca de 75% das mulheres experimentarão pelo menos um episódio da doença durante a vida. Conversei com o ginecologista Fábio Muniz para entender esse problema um pouco melhor, vejam só:

O que é a Candidíase Vulvovaginal e quais são suas causas?

Trata-se de uma infecção da vulva e da vagina, causada pela proliferação de um fungo chamado Cândida albicans que, em muitos casos, já existe na flora vaginal da mulher, mas não é prejudicial em pequenas quantidades. Existem vários fatores que predispõem esta proliferação, como a gravidez, a obesidade, o Diabetes descompensado, as altas dosagens de anticoncepcionais e antibióticos, o contato com substâncias alérgicas (perfume, talco, desodorantes), o uso constante de biquínis molhados, absorventes diários e roupas íntimas de tecidos que diminuem a ventilação da região vaginal.

Quais são os sintomas dessa doença?

Os sintomas dependem do grau da infecção e eles podem apresentar-se isolados ou associados. O principal sintoma é a coceira vulvovaginal, mas a pessoa também pode sentir dor ao urinar e no ato sexual, vermelhidão na vulva, ter a vagina coberta por uma placa branca ou acizentada e perceber na calcinha um corrimento branco sem cheiro e com aspecto de leite coalhado. É importante lembrar que, ao sentir qualquer desconforto, a visita a um ginecologista é essencial.

Candidíase não é considerada uma DST?

Não, pois a relação sexual não é a principal forma de transmissão. Porém, é sempre importante se preservar usando camisinha!

Como é possível evitar a Candidíase?

Algumas medidas bem simples, relacionadas à higiene íntima e ao vestuário, podem ajudar a evitar a Candidíase:

- Dê preferência às roupas íntimas de puro algodão e evite usar absorventes íntimos diariamente, pois prejudicam a ventilação local.

- Adquira o hábito de dormir com roupas confortáveis e largas, de preferência de puro algodão. Se possível, durma sem calcinha, para que a região íntima fique ventilada e menos propença à contaminação.

- Evite usar toalhas e roupas íntimas que ficaram secando no banheiro (isso facilita a manutenção dos fungos) e, principalmente, aquelas que pertencem a outras pessoas. As toalhas devem ser bem lavadas e sempre passadas a ferro antes do uso.

- Após as evacuações, a higiene local deve ser feita trazendo o papel higiênico no sentido da vulva para o ânus (da frente para trás), nunca ao contrário, evitando assim a contaminação da vagina por germes que habitam as fezes.

- Evite ficar períodos longos com o maiôs ou biquínis molhados, porque eles prejudicam a transpiração e deixam o ambiente úmido e quente, o que favorece a proliferação dos fungos.

- Duchas intra-vaginais são absolutamente desnecessárias, pois causam desequilíbrio na flora vaginal e podem levar os germes para outros órgãos genitais, como o útero, o ovário e as trompas.

Como é o tratamento para a Candidíase Vulvovaginal?

Ao sentir os sintomas, a pessoa deve procurar o ginecologista imediatamente, para que seja feito um exame ginecológico. Tratamentos com cremes e remédios via oral são os mais recomendados, lembrando que somente um médico pode prescrevê-los.

domingo, 21 de novembro de 2010

candidiase feminina tratamento

Entre as mais variadas causas que podem provocar inflamaçoes da região vaginal. Com certeza, a Candida Albicans é a causa mais freqüente. De menor importãncia são o Triconomas e as Bacterias que desde 20 anos, não representam mais um problema pela zona vaginal. Si a inflamaçao vulvo-vaginal resiste ao primeiro tratamiento, local o geral, é muito provàvel que há uma infecção de Monilia (isto é Candida). Pode ser difícil descobrir uma infecção da Candida, também para um ginecòlogo experto; de cualquer modo, é importante controlar também o quadro geral que acompanha nas diversas maneiras a inflamaçao vaginal.

Candida Albicans de costume, mora na atmosfera vaginal, porquê ali o PH é àcido (5,0-4,0). Na realidade, a "verdadeira residência" da Candida é a mucosa do intestino delgado, pelo contrario, a zona vaginal é "casa do mar", a zona cutãnea (manchas quando a pessoa expõe-se ao sol) pode representar a "casa da montanha", o "Mughetto" na boca è a "casa do lago", etc...

Habitualmente a Candida acompanha a vida dum sujeito sano, (isto é "sapròfita"), mas quando a eficacia do sistema immunitario diminuie porquê aumenta o número das toxinas, este fungo cresce muito, provocando problemas de saùde no sujeito afetado.

A nìvel genital feminino uma proliferação de candida se pode manifestar com perdas brancas, que parecem requeijão, dores constantes o depois de urinar, enrubescimentos da mesma zona.

A nìvel genital masculino a Candida provoca inflamaçao do pènis, isto é muitos manchas vermelhas.

De cualquer modo, se provoca sempre uma disminuição das defesas immunitarias.

Em particular, isto se manifesta depois duma terapia antibiòtica, o cortisonica, no diabetes, durante a imissão dum contrapcetivo oral o de remedios que agem no sistema nervoso central (tranqüilizantes, ansiolìticos, sedativos) o também si se usam remedios antiulcerosos (cimetidina, antiacidos) o durante a gravidez.

O factor que permite à Candida de difundirse es alimentar, porque o fungo alimenta-se fundamentalmente de carbohydrates simples. De facto, entre os sintomas tìpicos da infecção da Candida nota-se freqüentemente a gulosidade de Pane (pão), Patate (batatas), Pizza o Pasta ( que o MÉDICO ENZO DI MAIO chama "as cuatro P") o doces.

Esta particular gulosidade de açùcares simples è causada pelas 79 toxinas que o fungo introduze no cìrculo ematico. Estas toxinas agem sobre o sistema nervoso central e modificam os pensamentos do sujeito afetado. Por isso è comprensìvel que a infecção da Candida pode ser a responsàvel da Sindrome da Fadiga Cronica, daHiperactividade, da Depressão, da Ansiedade, da Bulimia, da Anorexia.

Entre as doenças que normalmente são causadas pelo "stress" o pela ansiedade, se podem lembrar a Gastrite, a Sindrome do Còlon Irritavel, a Prisão de Ventre, a Diarreia, que, na realidade, são causadas pela presência patologica da Candida no intestino delgado.

Há 20 anos a literatura cientifica internacional notou que muitas doenças dermatològicas, como a DermatitisSeborroica e a Psoriasis - Psoríase (que têm vàrias causas) têm uma relaçao estreita com a Candida. (ver a bibliografia)

Nos ùltimos 20 anos se verificou um aumento de alergias. Além disso, se verificou, também, um aumento das pessoas que sofrem de intolerâncias alimentares. Esto està em relaçao com as modificações que a candidosi provoca às respostas do sistema immunitario, e às modificaçoes na permeabilidade da mucosa da parede do intestino delgado, que os fungos provocam na zona interna.

O aumento da sindrome da Candidosi (para os americanos: Chronic Candidiasis Syndrome o Candida Related Complex) è causado, in primis, pela comida tecnologica e pelo uso excessivo de produtos que derivam do milho maìs.

A nivel diàgnostico existem diversos instrumentos como a procura dos anticorpos especìficos pela Candida no sangue, a procura direita da Candida na urina, nas secreções vaginales o do pénis; em cualquer modo é muito útil usar questionários específicos.

Sigue uma exposiçao informativa sobre os conselhos terapêuticos existentes. Não é uma automedicação. Não deve ser utilizada como auto medicação. De cualquer modo não é suficiente eliminar as "Cuatro P" do médico Enzo DI MAIO. Porque eliminando sò estas, sem uma correcta alimentação estudada pela pessoa afetada, a Candida depois de alguns dias enviarà ao cérebro muitos ordens, não se pode resistir e como consequência se comem uma o muitas das "Cuatro P". O resultado serà muito negativo. Para recuperar o equìlibrio perdido se pode fazer o "Protocolo Pessoal"

domingo, 15 de agosto de 2010

SINAIS E SINTOMAS DA CANDIDÍASE CRÔNICA

Cândida albicans é um fungo comum no ambiente e está presente em muitos dos alimentos que consumimos. Ela tabém habita o trato gastrointestinal e nas mulheres a parede vaginal, é ela que causa o "sapinho" nas crianças e a vulvo-vaginite nas mulheres.
Sinais e sintomas da candidíase crônica:
-Necessidade de comer açúcar, pão, leite e derivados;
-Gases;
-Disturbios digestivos;
-Alteração no hábito intestinal;
-Eructação;
-Azia;
-Congestão nazal e coriza;
-Coceira no nariz;
-Urticárias;
-Pele seca e infecções por fungos;
-Sonolência;
-Depressão;
-Ansiedade;
-Tonturas;
-Hiper-irritabilidade;
-Alterações bruscas de humor;
-Retenção de líquidos;
-Dores de cabeça;
-Dores musculares e articulares;
-Infecções urinárias frequentes, etc.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Sete recém-nascidos estão isolados em UTI de hospital gaúcho por causa de fungo

Após a morte de um bebê e a confirmação de que cinco recém-nascidos estão infectados pela presença de um fungo no organismo, foram suspensas as internações na UTI neonatal no Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM), na região central do Rio Grande do Sul. Segundo o médico Arnaldo Teixeira Rodrigues, diretor-clínico do HUSM, dos 14 bebês internados, sete estão isolados e há confirmação de que cinco estão com uma candidíase sistêmica, uma doença invasiva.

- Trata-se de um fungo comum em unidades fechadas que, em alguns casos, ocasiona uma baixa na imunidade e evolui para infecções sistêmicas mais severas - revela.

Todos estão sendo tratados, com quadro estável, e não apresentam risco iminente de morrerem
Dos 18 leitos da UTI neonatal do HUSM, 14 estão ocupados. Deste total, sete leitos de recém-nascidos estão isolados.

- A gente tem a confirmação de que cinco crianças apresentam quadros infecciosos, um bebê é suspeito e outro apresenta infecção de pele. Mas, todos estão sendo tratados, com quadro estável, e não apresentam risco iminente de morrerem - garante.

Segundo o diretor-clínico do HUSM, todas as medidas de precaução foram tomadas para impedir a propagação do fungo e o avanço de quadros infecciosos. De acordo com Rodrigues, instrumentos de trabalho, instalações e materiais, em geral, estão sendo monitorados.

- A gente fez vários exames, como para testar a presença do fungo na água, por exemplo, e até agora nada foi detectado - assegura.

No último fim de semana, um bebê que estava internado há vários dias na UTI neonatal do hospital morreu após que o fungo se instalasse em seu organismo.

- A gente não pode dizer que ele morreu por causa do fungo. O bebê estava internado há bastante tempo e apresentava vários outros fatores de risco para a morte. A candidíase foi apenas um fator a mais - ressalta.

Todos os dias, são realizados no hospital cerca de 250 atendimentos de pronto-socorro, obstétricos e clínicos. Segundo o diretor, não há risco de contaminação e as operações seguem em risco normal.